QUANDO O CARNAVAL CHEGAR

Para reinterpretar a trilha sonora original do filme Quando o Carnaval Chegar, Anelis Assumpção, Pélico e Rubi se revezam à frente de canções célebres como "Mambembe", "Partido Alto" e "Baioque".

Quarto longa-metragem de Carlos Diegues, "Quando o Carnaval Chegar", de 1972, foi lançado durante os anos de chumbo do governo Médici, pós-AI5 e debaixo de muita repressão. É o primeiro musical do diretor e marca o encontro de grandes astros da música brasileira da época, com Nara Leão, Chico Buarque de Hollanda (que compôs várias canções da trilha sonora) e Maria Bethânia, interpretando Mimi, Paulo e Rosa, o trio de artistas de uma trupe de cantores de rádio que se apresentam Brasil afora em um ônibus hippie-multicolorido.
 

Anelis Assumpção iniciou a carreira aos 18 anos, fazendo backing vocals na banda do seu pai, o também cantor e compositor Itamar Assumpção. Integrou o grupo DonaZica, ao lado de Iara Rennó e Andréia Dias. Seu primeiro álbum solo "Sou Suspeita, Estou Sujeita, não Sou Santa" (2011) contou com participações de artistas como Céu, Karina Buhr e Curumin. Taurina (2017), acaba de ser lançado, depois do sucesso de "Amigos Imaginários" (2014), que contou com a participação de Russo Passapusso, Kiko Dinucci e Rodrigo Campos, entre outros.
 

Nascido em Goiânia e criado em Taguatinga, o músico e ator Wilton Alves de França, conhecido como Rubi, participou até recentemente da turnê do elogiadíssimo show "A Mulher do Fim do Mundo", de Elza Soares. Dono de uma voz distinta e atuação marcante, Rubi tem mais de 30 anos de atuação tanto na música como no teatro, atuando ao lado de grandes nomes da música nacional, como Vânia Bastos, Zélia Duncan e Chico César, entre outros.
 

Com referências que vão de Roberto Carlos a Beatles, passando por Cartola, o cantor e compositor paulistano Pélico conta com três álbuns lançados, "O Último Dia de Um Homem Sem Juízo" (2008), "Que Isso Fique Entre Nós" (2011), e "Euforia" (2015). Além do trabalho autoral, Pélico tem participações e parcerias em diversas coletâneas e álbuns. Às próprias composições, somou ainda homenagens a nomes que influenciaram sua carreira, como Cartola, Lulu Santos e Caetano Veloso, e tributos a Raul Seixas, Cássia Eller, Luiz Gonzaga e Ângela Rô Rô.
 

Xuxa Levy é maestro, compositor e produtor musical. Na estrada já há mais de 20 anos, produziu trabalhos importantes como "Cidadania nas Ruas" com Caetano Veloso, Baby do Brasil, Tom Zé e outros para 40 mil pessoas no Parque do Ibirapuera em 2013, além do projeto "Raul Seixas-Gita 40" Com 2 dias de lotação esgotada no SESC Pompéia em 2014. Xuxa também é compositor e produtor musical do disco do rapper Emicida "Sobre Crianças, Quadris,Pesadelos e Lições de Casa" gravado na África, e que é considerado pela crítica especializada como um dos melhores discos brasileiros de 2015.