PROJETOS ESPECIAIS

Nossa curadoria prioriza novas fusões culturais multi-área, parcerias inusitadas, ousadia, novas linguagens, educação musical e produtos culturais que preservem a riqueza cultural.

 

Desenvolvemos, captamos e realizamos projetos em diversos formatos para artistas, empresas, fundações e instituições ligados à música. Com o mercado musical cada vez mais diversificado, a institucionalização da cultura no Brasil é uma ferramenta poderosa para o desenvolvimento de uma nova economia criativa.

O projeto convida artistas de diversos estilos para fazerem releituras de clássicos musicais tendo como foco o público infantil.  

Para reinterpretar a trilha sonora original do filme ''Quando o Carnaval Chegar'', Anelis Assumpção, Pélico e Rubi se revezam à frente de canções célebres como "Mambembe", "Partido Alto" e "Baioque".

Reconhecido internacionalmente como um dos mais importantes artistas brasileiros, Lucas Santtana assimilou como ninguém o espírito “avant –garde” em sua trajetória. Em seu sétimo trabalho, “Modo Avião”, o artista foi levado a um lugar nunca visitado: o da criação de personagens , para contar histórias em forma de canções.

Direção artística e produção musical de Marcos Xuxa Levy, o show GITA é uma homenagem ao álbum Gita, de Raul Seixas. Os artistas convidados Fernando Catatau, Rubi, BNegão, Maurício Pereira e Zé Geraldo cantaram sucessos do álbum, como "Sociedade alternativa", "S.O.S.", "Medo da chuva" e "Gita".

As composições desse ícone da música brasileira são o ponto de partida para o encontro de Dani Black, Hélio Flanders, Pélico e Teago Oliveira, nomes que agitam a nova cena musical. Belchior, maestro, genioso, de voz grave e um defensor da liberdade de expressão, é considerado por muitos críticos como uma “lenda viva” do cancioneiro nacional. 

Lucas Santtana revisita o repertório de Raul e toca os sucessos do roqueiro baiano em versões originais de reggae.  O roteiro do show foi pensado e montado de forma que a plateia possa relembrar e curtir desde as músicas mais conhecidas até as que não chegaram a ser grandes sucessos, mas que contribuíram para a formação do rock feito no país. 

A música de Wanderley Alves dos Reis, conhecido nacionalmente como Wando, é o ponto de partida para um encontro feminino que balança o público presente. Apontado como um dos grandes nomes do estilo “brega”, pela maneira sincera e sensual de falar do amor em suas composições, o músico é homenageado no show “Maça”.

A cantora e compositora Alice Caymmi e o cantor Rubi interpretam na íntegra, o álbum “Tropicália ou Panis et Circensis”, obra importante para o cenário cultural da década de 60.

Lançado em 1968, o disco manifesto uniu música popular e artes visuais em um momento de tensão política e social. O evento conta também com a mediação de Frederico Coelho, professor da PUC-Rio e pesquisador do movimento tropicalista. Durante o show, Frederico traz explicações sobre as músicas, além de contextualizar histórica e esteticamente a obra. Para complementar essa dinâmica, projeções com imagens são parte da direção de Mariano Mattos. A direção musical é de Lucas Santtana.

Mais de 30 artistas se juntaram à Anistia Internacional para amplificar a mensagem dos direitos humanos, em uma só voz, em alto e bom som.

A proposta do projeto é convidar musicistas de diferentes estilos a subirem ao palco em uma apresentação especial, criada a partir de encontros e ensaios prévios entre os instrumentistas.
+ Instrumental tem produção musical de Bruno Kayapy (Macaco Bong) e direção artística de China. Artistas  como Bruno Kaypy, Vitor Araújo, Liminha, Lucas dos Prazeres, Ricardo Vignini e Spok fizeram parte do projeto.

A importância da obra de Gilberto Gil para a cultura brasileira é inquestionável. Em homenagem a esse grande artista, Lucas Santtana e Bixiga 70se unem para homenagear o compositor baiano. Juntos apresentarão, músicas do repertório de Gil gravadas ao longo dos anos 70, período no qual o compositor se alimentou de varias referências, entre ritmos africanos, jamaicanos e latinos.No show, canções como Refazenda, Realce, Lugar Comum e Abra o Olho ganham novas versões, impulsionadas pelo swing afro-pop dançante da banda Bixiga 70 e pelo vocal marcante de Lucas Santtana, o qual tocou flauta na banda de Gilberto Gil por três anos e foi convidado para gravar o antológico disco Gilberto Gil Acústico MTV em 1994.

Lucas Santtana revisita o repertório de Raul e toca os sucessos do roqueiro baiano em versões originais de reggae.  O roteiro do show foi pensado e montado de forma que a plateia possa relembrar e curtir desde as músicas mais conhecidas até as que não chegaram a ser grandes sucessos, mas que contribuíram para a formação do rock feito no país.